O setor da pecuária é vital para a segurança alimentar, a nutrição e os meios de subsistência de milhares de milhões de pessoas pobres em todo o mundo, mas está também a ser analisado pelos seus vários impactos ambientais. Os impactos das alterações climáticas são a principal preocupação, principalmente através das emissões de metano (CH4), óxido nitroso (N2O) e dióxido de carbono (CO2), juntamente com a perda de biodiversidade e a degradação dos solos. Este escrutínio intenso por parte dos meios de comunicação social e dos governos pode tornar os doadores e as instituições financeiras relutantes em investir na pecuária a nível mundial. No entanto, o desinvestimento no desenvolvimento da pecuária pode aumentar desafios como a insegurança alimentar e a subnutrição para milhares de milhões de pessoas vulneráveis, como os pequenos agricultores e pastores em países de baixo e médio rendimento, e incentivar indiretamente uma via de desenvolvimento insustentável para o setor. Ler mais aqui.

A Professora Alice Stanton publicou ontem um artigo no NPJ Science of Food intitulado "Unacceptable use of substandard metrics in policy decisions which mandate large reductions in animal-source foods". Consultar aqui.
A jornalista Madeleine Ross também cobriu este artigo no The Telepgraph.

Os pontos principais do artigo são os seguintes:

- Muitos relatórios recentes e muito influentes, incluindo os do Global Burden of Disease (GBD) Risk Fator Collaborators, da EAT-Lancet Commission on Food, Planet, Health, e do Lancet Countdown on Health and Climate Change, recomendaram reduções drásticas ou a exclusão total de alimentos de origem animal, particularmente produtos de ruminantes (carne vermelha e lacticínios), da dieta humana.
- Esta perspetiva identifica e destaca os múltiplos erros e limitações destes relatórios
o Erros que levaram à criação, ou à inflação de duas a 36 vezes, dos riscos de grandes eventos cardiovasculares (ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais) e de cancros comuns (cancro colorrectal e da mama), atribuídos à carne e aos lacticínios.
o O não reconhecimento de que as reduções propostas de alimentos de origem animal na dieta resultariam em carências significativas de micronutrientes e proteínas essenciais, o que teria um impacto particularmente negativo nas mulheres, crianças e idosos.
- Apesar de muitos destes erros e limitações terem sido reconhecidos publicamente pelos autores do GBD e do EAT-Lancet, não foram aplicadas correcções aos artigos publicados.
- Consequentemente, as métricas pouco fiáveis e de qualidade inferior destes relatórios continuam a influenciar erradamente as decisões de política alimentar e as directrizes dietéticas internacionais, como a Dieta Livewell do World Wildlife Fund e as Recomendações Nórdicas de Nutrição 2023.
 

Nos últimos anos, temos assistido a vários documentários, ou seria melhor chamar-lhes "docuficções", que apresentam o sector da pecuária e o consumo de carne de uma forma negativa e generalizada. Mas porquê?

Será porque um tema tão quente atrai facilmente audiências e investidores? Os chamados documentários como "Cowspiracy", "Seaspiracy", "At the Fork", "The Meat Lobby: Big Business Against Health?", etc., para mencionar apenas alguns, têm sido promovidos através de diferentes serviços de streaming e a mais recente minissérie na Netflix, intitulada "You are what you eat", é apenas o mais recente exemplo disso. O objetivo parece ser sempre o mesmo: provocar a indignação de quem assiste, aparentemente revelando verdades não ditas pela sempre presente grande e má indústria.

Ciência instável, opiniões de activistas dos direitos dos animais e reviravoltas no enredo

Todos estes filmes ou séries contêm os mesmos ingredientes: uma mistura de ciência instável, opiniões de activistas dos direitos dos animais e algumas reviravoltas aleatórias no enredo que podem ser difíceis de seguir. "You Are What You Eat: Uma Experiência com Gémeos" é um documentário em que gémeos geneticamente idênticos mudam as suas dietas e estilos de vida durante oito semanas, numa experiência para ver como certos alimentos afectam o corpo (spoiler: os vegetais ocupam o lugar central). Mas qual é a base científica?

Descubra a carne como um benefício essencial para todos os grupos populacionais, apoiado por conhecimentos científicos de ponta.

O setor da pecuária e da carne lança orgulhosamente as suas fichas nutricionais

Hoje em dia, o setor da Pecuária e da Carne tem o prazer de revelar uma nova iniciativa centrada na promoção de uma apreciação mais profunda do significado nutricional da carne, juntamente com os mais recentes conhecimentos científicos que sublinham o seu papel crucial em dietas bem equilibradas para todos os grupos populacionais. Ler ficha completa aqui.

A pecuária pode ser parte da solução para a crise climática. Mas como podemos melhorar todo o setor e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa? Onde estão as principais oportunidades para implementar a mitigação das alterações climáticas, por exemplo, através da gestão de bovinos? Falámos sobre estes temas "quentes" com Ermias Kebreab, reitor associado para o envolvimento global na Faculdade de Ciências Agrícolas e Ambientais da UC Davis, diretor do World Food Center e reconhecido especialista internacional em agricultura sustentável e ciência animal. Ler mais aqui.

 

A carne tem sido e continua a ser uma importante fonte alimentar, fornecendo uma vasta gama de nutrientes valiosos que o nosso corpo pode absorver facilmente. Juntamente com outros alimentos de origem animal, como o peixe, os ovos e o leite, também desempenha um papel importante em várias tradições e receitas culturais europeias. As pessoas estão biologicamente adaptadas a uma dieta que inclui carne, o que é importante numa dieta saudável e equilibrada. Alguns nutrientes presentes na carne e noutros alimentos de origem animal nem sempre são facilmente obtidos ou podem ser obtidos a partir de alimentos de origem vegetal.

A carne é uma excelente fonte de vitaminas, minerais e micronutrientes essenciais que o organismo pode absorver facilmente. Uma porção de 100g de carne vermelha, por exemplo, fornecerá cerca de 25% da dose diária recomendada de riboflavina, niacina, vitaminas B5 e B6, e dois terços da vitamina B12. As dietas pobres em alimentos de origem animal podem conduzir a várias deficiências nutricionais. Estudos demonstraram que as dietas pobres em carne podem pôr em risco o desenvolvimento do cérebro e do sistema reprodutor. De facto, é reconhecido que os alimentos de origem animal são essenciais nos primeiros 1000 dias de vida de um bebé e para o desenvolvimento do esqueleto e do cérebro dos pré-adolescentes. Ler mais aqui.

Um estudo publicado no início deste ano revela boas notícias para o setor da carne. Os cidadãos do Brasil, da França, da Alemanha, do Reino Unido e dos Estados Unidos não consideram a carne produzida industrialmente como um dos principais factores que contribuem para as alterações climáticas. Ler mais aqui.

A UE não é o único local onde os objetivos climáticos são ambiciosos. Outro local famoso por isso é a Califórnia, onde já se registaram grandes progressos na redução das emissões provenientes da pecuária. Como? Não forçando os agricultores a abandonar a atividade, mas envolvendo-os e incentivando-os, confirmando que podem fazer parte da solução para combater as alterações climáticas e não o problema. Falámos com Frank Mitloehner, professor e especialista em qualidade do ar na UC Davis, Universidade da Califórnia, e diretor do Centro CLEAR sobre o grande debate das emissões.

A Califórnia estabeleceu objectivos climáticos ambiciosos? Como pode o Estado atingir esses objetivos até 2030? Ler mais aqui.

Queremos comunicar os dados científicos mais recentes e levá-los de uma forma simples aos decisores políticos e às partes interessadas. Para essa comunicação proactiva, preparámos o primeiro conjunto de fichas informativas sobre temas relacionados com a nutrição, que pode encontrar nas ligações seguintes:
- a primeira aqui
- a segunda aqui.

Ler mais aqui.

 

As associações parceiras da European Livestock Voice, que representam a cadeia de valor da pecuária, juntaram-se para acolher um intercâmbio aberto sobre o futuro da pecuária na UE e não só. O evento, apenas para convidados, teve lugar na quinta-feira, 28 de setembro, em Bruxelas, no Concert Noble. O objetivo do evento era forjar um diálogo entre cientistas, políticos, ONGs e o sector privado para encontrar uma forma de enfrentar os desafios dos nossos sistemas alimentares através de soluções viáveis e práticas, e pôr fim à atual polarização em torno da criação de animais. Ler mais aqui.

 

Uma equipa de especialistas de alto nível na Comunidade de Ciências Científicas e Biomoleculares concordaram que suas estimativas de 2019 para os riscos para a carne vermelha não processada estavam erradas (Burden of Proof Studies publicado na Nature Medicine em outubro de 2022).

Veja neste link, (A Nature Medicine é uma revista mensal de alto nível que publica pesquisas revisadas por pares em todas as áreas da medicina).

 

O metano é o segundo maior contribuinte para o aquecimento depois do CO2. No entanto, a avaliação da importância do metano como gás com efeito de estufa é mais complicada do que a do CO2, de acordo com o recente documento publicado pela Animal Task Force (ATF). 

O metano representa 14% das emissões globais de gases com efeito de estufa, sendo responsável por cerca de 30% do aumento da temperatura global. Cerca de 41% das emissões globais de metano provêm de fontes naturais como as zonas húmidas, a queima de biomassa e outras fontes, como os ruminantes selvagens, as térmitas, os oceanos e o permafrost. Os restantes 59% provêm de fontes antropogénicas. Entre estas, a agricultura é responsável por mais de 40%. A UE é responsável por apenas 5% das emissões globais de metano antropogénico. Ler mais aqui.

Muita desinformação ou informação incorreta sobre alimentos e pecuária é espalhada por pessoas que querem fazer o bem, mas que não estão treinadas para compreender o que é bom e o que é mau.
O fenómeno do "especialista" das redes sociais está a confundir as pessoas e a sobrepor-se ao conhecimento científico de que precisamos de uma dieta equilibrada para obter todos os nutrientes de que necessitamos.
Neil Mann, professor de ciência alimentar e nutrição humana na Universidade de Melbourne, explica. Assistir aos vídeos aqui.
 
Por cada Kg de alimento vegetal produzido, há 4 Kg de biomassa.
Ao utilizar esta biomassa não comestível para alimentar os animais, os agricultores desenvolvem um sistema circular que produz mais alimentos para alimentar as pessoas. 
Wilhelm Windisch, professor de nutrição animal na Universidade Técnica de Munique, explica como a criação de bovinos pode ser uma solução vantajosa para todos.
Assistir aos vídeos aqui
 

Damos nota, clique aqui, da autoria de:

QUARTO Serenella-Chefe da Unidade de Avaliação dos Recursos Terrestres e da Cadeia de Abastecimento, Comissão Europeia, Centro Comum de Investigação ISPRA e LAURENTIIS Valeria e SANYE MENGUAL Esther, Responsáveis científicos do mesmo departamento da CE em ISPA,

pode consultar o link sobre ISPRA:

Deixamos os seguintes destaques, retirados do relatório:

→ Os impactos ambientais da produção e do consumo de alimentos na UE aumentaram ao longo do tempo, transgredindo algumas fronteiras planetárias.

→ A pegada de biodiversidade é impulsionada pelo uso da terra e pelos impactos relacionados às mudanças climáticas, que estão associados principalmente a produtos de origem animal.

→ Dietas mais equilibradas, em que o consumo de alimentos de origem animal é reduzido e as proteínas à base de vegetais são preferidas, poderiam reduzir os impactos ambientais.

→ Em 2020, quase 59 milhões de toneladas de alimentos foram desperdiçados na UE, o que representa cerca de 10% dos alimentos fornecidos ao retalho, aos serviços alimentares e às famílias.

→ Carne e laticínios contribuem com menos de 20% do desperdício de alimentos gerados em massa, mas são responsáveis por mais de 50% dos impactos ambientais do desperdício de alimentos.

→ 62% dos alimentos são desperdiçados na fase de consumo. Este é responsável por mais de 70% dos impactos ambientais da geração de resíduos alimentares, sublinhando a necessidade de se concentrar nos esforços de prevenção a nível doméstico e dos serviços alimentares.

→ A produção de resíduos alimentares emite 252 milhões de tCO2 eq: se o desperdício alimentar da UE fosse um Estado-Membro, seria o 5.º maior emissor da UE.

É sempre fácil culpar as vacas pelas alterações climáticas e comparar o gado com algumas das indústrias mais poluentes, mas não será altura de deixar de fazer das vacas os bodes expiatórios de todos os nossos desafios ambientais?

Em vésperas da votação no Parlamento Europeu da Diretiva relativa às emissões industriais, que, com a oposição da Comissão AGRI do Parlamento Europeu e o apoio da Comissão ENVI, equipara as explorações pecuárias de média dimensão a fábricas industriais poluentes, o mundo das ideologias eco-animalistas está a acelerar os seus motores com petições e lobbies junto dos deputados europeus para que seja ratificada no hemiciclo uma medida que será gravemente prejudicial para o clima, o ambiente em geral e a segurança alimentar dos cidadãos europeus. Esta legislação é a antecâmara da abolição da criação de gado na Europa. Por que razão há-de o sector pecuário pagar pelo incumprimento dos objectivos de descarbonização dos sectores da energia e dos transportes, os verdadeiros responsáveis pelos impactos climáticos da utilização de combustíveis fósseis? Ler mais aqui

Declaração de Dublin dos Cientistas - Nova Publicação - Importância dos bovinos e apelo ao debate
Foi publicado um novo artigo sobre a Declaração de Dublin dos Cientistas na reputada revista científica Nature Foods.

O artigo explica a importância da proteção dos bovinos devido aos seus impactos positivos na saúde e na nutrição, ao mesmo tempo que convoca outros cientistas a assinarem a declaração. Ler o artigo aqui.

"Qual é a diferença entre alimentos transformados e hipertransformados"?

Não existe uma razão objetiva para equiparar a transformação dos alimentos a um problema de saúde. No entanto, alguns aspetos específicos da transformação dos alimentos podem ser prejudiciais para a saúde, por exemplo, ao gerar ácidos gordos trans ou ao reduzir a disponibilidade de micronutrientes. Mas quando se trata de carnes curadas como o fiambre, o salame e os enchidos, a parte da transformação é pouco preocupante. Ler mais aqui.

 

Já ouviu falar das "vacas destruidoras do clima"?
Os bovinos sãos responsabilizado por uma série de impactos negativos no nosso ambiente, pelo que os cientistas do Centro Basco para as Alterações Climáticas (BC3) têm vindo a analisar as emissões antropogénicas e naturais, comparando as emissões dos herbívoros selvagens e dos bovinos.
Falámos com Pablo Manzano, do BC3, para saber mais sobre os impactos e os contributos da pecuária para a sustentabilidade. Ler mais aqui.
 

Informamos que existe um novo post no sítio Web meatthefacts:

1) A importância de uma avaliação de impacto socioeconómico adequada para a reforma legislativa sobre o bem-estar dos animais:

Representantes da cadeia de valor da pecuária europeia reuniram-se para enviar uma carta aos Comissários da UE responsáveis pela Agricultura, Janus Wojciechowski, e pela Saúde e Segurança Alimentar, Stella Kyriakides, manifestando sérias preocupações quanto à revisão em curso da legislação da UE em matéria de bem-estar dos animais. As associações solicitaram uma avaliação exaustiva do impacto económico, pois consideram que o tempo e os recursos afetados à realização de uma avaliação do impacto da legislação relativa ao bem-estar dos animais nas explorações agrícolas não foram adequados. Ler mais aqui

Durante muitos anos, a nossa dieta e, de facto, as nossas refeições centraram-se no princípio da carne e dos legumes, garantindo cinco porções de fruta ou legumes por dia.
Atualmente, existe uma crescente narrativa anti-carne, que apresenta razões pelas quais não devemos continuar a comer carne. Quisemos perceber de onde vem esta tendência e o que significa, por isso falámos com o Prof. Frédéric Leroy da Vrije Universiteit Brussel, na Bélgica.
Leroy, da Universidade Vrije de Bruxelas, que nos falou sobre este tema e sobre a Declaração de Dublin dos Cientistas sobre o Papel Social da Pecuária. 

  • De onde vem a narrativa anti-carne?
  • A carne e a mudança de paradigma societal: é necessário alargar o contributo científico?
  • O que é e para que serve a Declaração de Dublin dos Cientistas sobre o Papel Social da Pecuária?

Todas as respostas pode consultar aqui.

 

Contribuição dos alimentos de origem animal terrestre para regimes alimentares saudáveis para melhorar a nutrição e os resultados em termos de saúde

Uma visão geral das provas e das políticas sobre o estado dos conhecimentos e as lacunas. Consultar aqui.

 

Artigo no sítio Web da ELV sobre "As carências de micronutrientes da dieta EAT-Lancet"

A dieta de saúde planetária EAT-Lancet tem falta de nutrientes. Um novo estudo calcula todas as carências nutricionais e de micronutrientes da dieta "saúde planetária global" proposta pela Comissão EAT-Lancet "saudável para as pessoas e para o planeta". Muitos especialistas já tinham manifestado preocupações quanto ao facto de esta dieta, proposta para garantir uma alimentação sustentável e saudável para todos a nível mundial, se basear principalmente na limitação da ingestão de alimentos altamente transformados e de origem animal e no aumento significativo dos alimentos de origem vegetal. De facto, de acordo com os especialistas, a quantidade de carne e de alimentos de origem animal incluídos na dieta é demasiado baixa e insuficiente para cobrir as necessidades nutricionais da população, especialmente de micronutrientes essenciais, que são mais numerosos e mais biodisponíveis nos alimentos de origem animal. Ler mais aqui.

 

O ELV publicou dois vídeos sobre o evento realizado em Dublim em Outubro de 2022:

1) Que quantidade de carne vermelha comemos em todo o mundo? Alice Stanton, do Royal College of Surgeons da Irlanda, explica neste vídeo que o consumo de carne vermelha é desequilibrado entre os países, com diferenças entre os países pobres, os países europeus, a América e a Rússia. Alice Stanton reitera o importante valor nutricional da carne vermelha, cuja carência provoca várias consequências negativas para a saúde. Assistir ao vídeo aqui.

2) No segundo vídeo, a Professora Alice Stanton explica o risco para as crianças de uma ingestão deficiente de alimentos de origem animal, como a carne, o leite, o peixe e os ovos. Além disso, as crianças nascidas de mães que não comem alimentos de origem animal em quantidade suficiente nos primeiros 1000 dias de vida correm o risco de sofrer de atraso de crescimento, comprometendo o seu desenvolvimento somático e cognitivo e todo o desempenho da sua futura vida adulta. Assistir ao vídeo aqui.

  

No passado dia 25 de Abril, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) publicou uma análise exaustiva sobre a Contribuição dos alimentos de origem animal terrestre para dietas saudáveis com vista a melhorar a nutrição e a saúde.
Este documento afirma que:

- A carne fornece proteínas de alta qualidade, ácidos gordos importantes e várias vitaminas e minerais, incluindo ferro, zinco, selénio, vitamina B12, colina e cálcio, entre outros.

- No âmbito de padrões alimentares adequados, a carne pode dar contributos vitais para o cumprimento das metas nutricionais aprovadas pela Assembleia Mundial da Saúde e da Agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030, relacionadas com a redução do atraso de crescimento, da emaciação e do excesso de peso nas crianças com menos de cinco anos de idade, do baixo peso à nascença, da anemia nas mulheres em idade reprodutiva, da obesidade e das doenças não transmissíveis (DNT) nos adultos.

Foi também publicado um documento-chave mais pequeno, que pode ser lido aqui.

Embora na sua maioria positivos, a FAO abordou alguns desafios, como a ligação ao risco de cancro e as questões ambientais da desflorestação, utilização da água, emissões de gases com efeito de estufa e outras, que têm de ser enfrentadas e melhoradas.

A FAO instou também os governos de todo o mundo a alterarem as suas recomendações dietéticas nacionais para terem em conta, quando necessário, a forma como a carne pode contribuir para determinadas necessidades nutricionais ao longo do ciclo de vida humano. A FAO é uma das principais autoridades mundiais, pelo que as suas publicações têm um certo peso.

É também importante salientar que esta análise foi financiada pelos Governos da França, Irlanda e Suíça, e pelo International Livestock Research Institute e contou com Ty Beal (Global Alliance for Improved Nutrition, Estados Unidos da América), autor do artigo que afirmava que a Dieta Eat Lancet não fornecia nutrientes suficientes para a população, e Frédéric Leroy (Vrije Universiteit Brussel, Bélgica), um dos principais responsáveis pela Declaração de Dublin e pela publicação da Animal Frontiers, como membros do Comité Científico Consultivo.

Informamos que há um novo post no website de meatthefacts:
 
O papel social da carne e da pecuária. O que diz a ciência
 
Artigos científicos baseados nas apresentações da Cimeira de Dublin acabam de ser publicados numa edição revista por pares da Animal Frontiers, a terceira revista mais citada na agricultura, lacticínios e ciência animal. Ler mais aqui.
 
 

As explorações agrícolas europeias oferecem uma grande diversidade de produtos alimentares de uma região para outra, pelo que a dimensão média das explorações é bastante difícil de definir, de acordo com um artigo publicado pela European Livestock Voice.

O que se sabe ao certo é que a agricultura familiar sempre foi uma pedra angular da atividade agrícola na União Europeia. Quando comparada com países terceiros, a dimensão das explorações agrícolas europeias permanece relativamente pequena. Na UE, em termos económicos, as explorações agrícolas mais pequenas praticam várias atividades com culturas mistas, pecuária mista, ou culturas e criação de gado mistas simultaneamente. Estes sistemas híbridos fazem parte do nosso património cultural, tornando difícil definir com precisão a dimensão média das explorações leiteiras, bovinas ou avícolas. Ler mais aqui.

Novo artigo do meatthefacts:


Pode encontrar o primeiro artigo de 2023 agora publicado no website para a sua leitura e circulação, por favor:


1) RESPEITADO CIENTISTA ITALIANO APONTA 5 NOTÍCIAS FALSAS SOBRE ALIMENTOS FALSOS. Consultar aqui.

 

 

Novos artigos sobre os factos da carne:
 
Informamos que há um novo artigo no website de factos sobre a carne:
 
1) Global Burden of Disease 2019: resultados irrealistas e não transparentes | European Livestock Voice. Consultar aqui.
2) A criação de bovinos não é cruel, e a carne não é homicídio | European Livestock Voice. Consultar aqui.
 
  

O relatório da União Europeia One Health 2021 Zoonoses foi publicado no website da EFSA.

Os níveis de doenças zoonóticas e surtos de origem alimentar em 2021 subiram em relação a 2020, de acordo com o último relatório da Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) e do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC). Cobrindo 273 páginas, "The European Union One Health 2021 Zoonoses Report" mostra, no entanto, que os números de casos ainda estão muito abaixo dos vistos antes do COVID.

A diminuição relativa aos níveis pré-pandémicos deve-se provavelmente a medidas de controlo para limitar a propagação da COVID, que ainda estavam em vigor em 2021. Houve algumas excepções, incluindo a Yersiniose, uma doença frequentemente associada à ingestão de carne de porco crua ou mal cozinhada, & Listeriose de origem alimentar, para a qual os números de casos excederam os níveis pré-pandémicos.


Os surtos mais frequentes de doenças de origem alimentar foram de Salmonella, que representaram 19,3% (773) do total. Os cientistas da EFSA explicam que "os surtos de doenças de origem alimentar diferem dos casos globais notificados, na medida em que são eventos em que pelo menos duas pessoas contraem a mesma doença a partir do mesmo alimento contaminado".

Ovos, ovoprodutos e "alimentos mistos" foram as fontes mais comuns. Os surtos ligados a vegetais e sumos, e os produtos feitos a partir deles, aumentaram significativamente. O número de surtos causados por Listeria monocytogenes atingiu o nível mais elevado de sempre, 23, o que pode ser devido a uma maior utilização de técnicas de sequenciamento de genomas inteiros, que permitem aos cientistas detectar e definir melhor os surtos. Nos casos globais de zoonose notificados, a Campylobacteriose continua a ser a zoonose mais frequentemente notificada, com o número de casos notificados a aumentar para 127 840 em comparação com 120 946 em 2020. A carne de galinha e de peru foi a fonte mais comum. A salmonelose foi a segunda mais notificada, afectando 60 050 pessoas, em comparação com 52 702 em 2020. As doenças mais frequentes foram a Yersiniose (6 789 casos), infecções causadas por E. coli produtora de Shigatoxina (6 084 casos), e Listeriose (2 183 casos).

Por favor, encontre aqui o relatório completo.

 

Novo artigo no website do ELV

Informamos que há um novo post no website de meatthefacts:
 
1. NÃO HÁ COMPETIÇÃO POR ALIMENTOS ENTRE O GADO E AS PESSOAS. Consultar aqui
 
 
  

A CLITRAVI dá nota que existe um novo artigo no website de meatthefacts para a vossa leitura e circulação:

1. DEFICIÊNCIA DE FERRO E "FOME OCULTA": A DESNUTRIÇÃO POR MICRONUTRIENTES TAMBÉM AFECTA OS PAÍSES DE ELEVADO RENDIMENTO.

Consultar aqui.

 

    

1. A DECLARAÇÃO DE DUBLIN: O APELO DA COMUNIDADE CIENTÍFICA PARA UM DEBATE BASEADO EM PROVAS SOBRE A CARNE. Consultar aqui.

 

  

A CLITRAVI informa que há um novo post no website de meatthefacts:
 
1) O QUE É A "AGRICULTURA CONVENCIONAL"? Consultar aqui 
 

O que significa "agricultura convencional"? Faz sequer sentido usar este termo indefinido no debate sobre o futuro da agricultura ao discutir abordagens de produção e sustentabilidade? Na sequência de um artigo recentemente publicado no Science Direct, pensámos em analisar o significado deste termo amplamente utilizado para descrever a imensa diversidade dentro da agricultura.

Normalmente, o adjetivo "convencional" é utilizado para se referir a práticas agrícolas e de criação "tradicionais", em contraste com as práticas "alternativas". Estas diferenças resultam do facto de a agricultura enfrentar desafios criticamente importantes. Assim, a comunidade científica e a sociedade tentam encontrar formas diferentes de classificar os sistemas agrícolas. Isto implica muitas vezes a utilização de termos simplistas para atrair a atenção do público. (Ler mais versão PT aqui)

 

  

A alimentação saudável e adequada é fundamental para que o crescimento, desenvolvimento e manutenção do organismo humano ocorra de forma apropriada e saudável (PNPAS, 2020b)).

A Roda dos Alimentos é um instrumento de Educação Alimentar destinado à comunidade em geral e que ajuda a escolher e a combinar os alimentos que deverão estar incluídos num dia alimentar saudável. O seu formato em forma de roda pode ser facilmente identificado e associado a um prato vulgarmente utilizado, não hierarquizando os alimentos. A Roda dos Alimentos é constituída por 7 grupos de alimentos, acrescido da água. O grupo da carne, pescado e ovos deverá fornecer ao dia alimentar cerca de 5%, ou seja, 1,5 a 4,5 porções (PNPAS, 2020c).

Segundo a Direção-Geral da Saúde, a carne continua a ser considerada um alimento importante para ser incluído moderadamente na dieta humana e numa alimentação diversificada pelo seu elevado valor proteico, vitamínico e mineral.

Segundo um estudo de 2019, realizado na Universidade de Nevada, a carne vermelha é uma excelente fonte de minerais e vitaminas, principalmente; zinco, ferro, selénio, e vitamina B12. E é importante notar que a anemia regenerativa, relacionada com a deficiência de ferro, é uma questão global crítica, e o consumo de carne vermelha é preventivo (Omaye & Omaye, 2019).

Segundo Laura Wyness (2015), a carne vermelha fornece uma boa fonte de proteínas de alta qualidade, bem como ácidos gordos benéficos e uma grande variedade de micronutrientes (Tabela 1).

Tabela 1 - Benefícios do consumo de carne vermelha de acordo com os seus constituintes. Adaptado de (Wyness, 2015).

Constituintes

Grupo de nutrientes

Benefícios

Macro-nutrientes

Proteína de alto valor biológico

Possui todos os aminoácidos essenciais quer para os adultos quer para as crianças. A proteína é necessária para o crescimento, manutenção e reparação do corpo.

Ácidos Gordos (AG) principais* : ácidos gordos polinsaturados- e ácidos gordos monoinsaturados.

O perfil de ácidos gordos da carne vermelha varia em função das proporções de carne magra e gordura presentes.

Muitos AGs podem ser metabolizados e sintetizados pelo corpo humano, mas existem dois ácidos gordos polinsaturados essenciais principais que apenas são conseguidos através da dieta e que se encontra presentes na carne: n-3 α- ácido linolénico (ALA) e n-6 ácido linoleico (LA).

Micro-nutrientes

Ferro heme

Os estudos sobre refeições mostraram que o ferro heme encontrado na carne vermelha é mais eficientemente absorvido da dieta (20-30 %) do que o ferro não heme (5-15 %).  O ferro heme também aumenta a absorção de ferro não heme de alimentos como cereais, vegetais e legumes consumidos ao mesmo tempo. A carne e produtos de carne contribuem para 21 % da ingestão de ferro em adultos.

 

Vitamina D

A carne e os produtos à base de carne contribuem para 35% da ingestão de vitamina D nos adolescentes (11-18 anos) e 30% nos adultos (19-64 anos)

 

Vitamina A

Apesar de em pequenas doses, a carne vermelha pode dar uma importante contribuição para a ingestão de micronutrientes que por vezes se encontram em falta nas dietas de alguns grupos populacionais.

 

Vitaminas do Grupo B: B1, B2, B3, B6 e B12

 

Zinco

 

Fósforo

 

Magnésio

* ácidos gordos intramusculares.

Em conclusão, o consumo de carnes vermelhas é benéfico em conjunto com a prática de um estilo de vida saudável.

 

Referências:

McAfee, A. J., McSorley, E. M., Cuskelly, G. J., Moss, B. W., Wallace, J. M. W., Bonham, M. P., & Fearon, A. M. (2010). Red meat consumption: An overview of the risks and benefits. Meat Science, 84(1), 1–13. https://doi.org/10.1016/j.meatsci.2009.08.029

Omaye, A. T., & Omaye, S. T. (2019). Caveats for the Good and Bad of Dietary Red Meat. antioxidants. https://doi.org/10.3390/antiox8110544

PNPAS, P. N. para a P. da A. S. (2020a). Ferro. https://alimentacaosaudavel.dgs.pt/nutriente/ferro/

PNPAS, P. N. para a P. da A. S. (2020b). Notas sobre alimentação e cancro. https://nutrimento.pt/noticias/notas-sobre-alimentacao-e-cancro/

PNPAS, P. N. para a P. da A. S. (2020c). Roda dos Alimentos. https://alimentacaosaudavel.dgs.pt/roda-dos-alimentos/

Wyness, L. (2015). The role of red meat in the diet: nutrition and health benefits. https://doi.org/10.1017/S0029665115004267