Vinaora Nivo Slider 3.x

Encontra-se um artigo científico sobre as etiquetas FOP escrito pelo Prof. Frédéric Leroy em conjunto com Lorenzo M. Domini (Universidade Sapienza, Roma, Itália), Elliot M Berry (Escola de Saúde Pública Braun, Universidade Hebraica - Escola Médica Hadassah, Jerusalém, Israel), Frans Folkvord (Universidade de Tilburg, Tilburg, Holanda), Léon Jansen (Schuttelaar & Partners, Wageningen, Holanda), Ömer Şimşek (Universidade Técnica Yildiz, İstanbul, Turquia), Fabio Fava (Alma Mater Studiorum, Universidade de Bolonha, Bolonha, Itália) Marco Gobbetti (Comité Italiano para a Biossegurança, Biotecnologia e Ciências da Vida, Roma, Itália e Universidade de Bolzano, Bolzano, Itália) e Andrea Lenzi (Universidade Sapienza, Roma, Itália).

artigo avalia FOPLs diretivas e semi diretivas utilizando esquemas de cor (por exemplo, Nutri-Score) e FOPLs informativos (por exemplo, Nutrinform Battery).
As abordagens de diretiva tendem a mostrar um "efeito de desgaste" e, adicionalmente, tendem a ter vários problemas conceptuais subjacentes. Normalmente, as suas pontuações nutricionais são calculadas utilizando algoritmos variáveis e arbitrários e envolvem um conjunto redutor de parâmetros de validade discutível. Assim, sobrestimam os efeitos de factores nutricionais seleccionados, tais como gordura saturada e energia, enquanto ignoram a matriz alimentar e os aspetos mais holísticos da nutrição. Além disso, não reflectem a porção que é consumida, ignoram as etapas de preparação em casa, e não servem como base útil para compor uma dieta saudável. Além disso, desde que as formulações nutricionais correspondam aos padrões algorítmicos, tendem a permitir produtos ultra processados. Assim, isto pode confundir e induzir em erro os consumidores. O excesso de confiança nos rótulos de cor verde pode mesmo resultar em escolhas alimentares desequilibradas, enquanto que evitar produtos vermelhos pode eliminar certos alimentos da dieta que são ricos em nutrientes essenciais (por exemplo, queijo), levando a resultados opostos aos pretendidos. Este último é particularmente relevante para populações vulneráveis, tais como jovens, mulheres grávidas e adultos mais velhos, ou para indivíduos com necessidades específicas.

No seu conjunto, as diretivas FOPL tais como Nutri-Score contradizem a intenção declarada da Comissão Europeia de capacitar os consumidores para empreenderem dietas saudáveis e equilibradas baseadas em informação facilmente acessível e robusta.
Embora os sistemas informativos geralmente também mantenham o foco em alguns parâmetros nutricionais selecionados, são menos paternalizantes e evitam a necessidade de classificar os alimentos como saudáveis ou pouco saudáveis. Também concentram a atenção nas porções individuais que são consumidas (mesmo que a definição do tamanho das porções continue a ser controversa).
Dada a importância dos padrões alimentares, em vez de alimentos ou nutrientes individuais, as FOPL diretivas do tipo Nutri-Score representam um caso lamentável de nutricionismo.
Finalmente, as tentativas de associar a adoção de uma FOPL a uma melhoria do estado de saúde são poucas e aplicadas principalmente em contextos virtuais; nenhuma delas é longitudinal, nem foram capazes de identificar uma relação causal.
Nas conclusões, os autores observam que não existem provas sólidas que demonstrem que a adoção de um sistema FOPL diretiva como o Nutri-Score melhorará as capacidades nutricionais e a consciência dos consumidores, melhorando assim as suas escolhas de compra num contexto da vida real.

Consultar artigo científico aqui